Buíque une forças em defesa de programas sociais durante audiência pública

Estudantes, vereadores, secretários, indígenas e a população em geral lotou a Câmara de Vereadores de Buíque em defesa do Sistema Único de Assistência Social – SUAS, na última terça-feira (26), durante Audiência Pública realizada pela Secretaria de Assistência Social, comandada pela secretária Teófila Valença, que avaliou positivamente a mobilização da sociedade.

– Foi um momento importante aonde pudemos debater com vereadores e a sociedade os problemas que afetam hoje o sistema de assistência social e, principalmente, os danos que esses cortes e a supressão dos programas vão ocasionar em todo o município e no País. Buíque está perdendo e pode perder muito mais caso essa política de extinção dos programas sociais siga em frente, afirmou Teófila.

Os vereadores presentes (Dão Tavares e Daidson Amorim), destacaram a necessidade crescentes das famílias mais carentes de Buíque pelas ações sociais que, a cada ano, vem sendo afetadas pelos cortes constantes do Governo Federal. O secretário da Juventude, Matheus Albuquerque, também destacou os esforços que a prefeitura, através da Secretaria de Assistência Social, vem fazendo para manter os programas sociais mesmo com os cortes e atrasos de recursos.

A Assistente Social Edvane Gomes retratou bem as consequências dos atrasos e do fim dos programas sociais, como os de transferências de renda a exemplo do Bolsa Família. Cras, Creas, Serviços de Convivência, entre outros, estão sendo paralisados por cortes e atrasos nos recursos nos município.  Ela citou como exemplo da importância desses programas para o município e a redução das desigualdades sociais, o Bolsa Família, que, mensalmente, injeta na economia de Buíque um montante de mais de R$ 2,2 milhões. Com a extinção desse programa, o comércio e serviços de Buíque e de todos os municípios nordestinos, seriam afetados duramente.

Durante sua palestra abordando as políticas sociais no País e do município nos dias atuais, Gomes revelou que Buíque tem pelo menos 5 mil famílias referenciadas no CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) e outras 750 no CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social) que estão entre 03 e 05 meses de atrasos, sem receber os repasses dos recursos federais. O Programa Criança Feliz, outro citado por Edvane Gomes, que atende a 200 crianças, está com 04 meses de atraso.

Outro dado mais drástico apontado foi a questão do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil que recebeu recursos pela última vez no ano de 2016, a portanto, três anos. O programa tem por objetivo retirar crianças e adolescentes do trabalho infantil, mas simplesmente foi abandonado pelo Governo Federal.

Para Teófila Valença, “a hora é de unir forças, conversar com a sociedade para se integrar nessa luta, convencer deputados, senadores da importância dos repasses, manutenção e ampliação dos programas sociais, para que as pessoas mais carentes, que mais precisam desses serviços, não sejam duramente afetadas pela insensibilidade do Governo Federal”.

Publicado em Assistência Social.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *